01/12/11

"ESCULTURA HABITÁVEL" de MIGUEL ARRUDA disputou a final do WAF

DECORRIA O MÊS DE OUTUBRO DE 2010 e eu decidi ir fazer uma visita aos jardins do CCB, quando soube que estava lá exposta esta peça de arquitectura:



Arquitecto: Miguel Arruda
Ubicación: Olives Garden, CCB, Lisbon, Portugal
Equipo: Pedro Pereira
Estructura: Afaconsult
Constrotion: Dustrimental
Terminaciones: Grupo Amorin
Montaje: Construções Casimiro
Totem: Termoono
Audiovisual: Restart
Ilumiinación: Donker by LGT
Año: Juio – Octubre 2010

AS FOTOS SÃO DE MINHA AUTORIA



Através das minhas pesquisas diárias pela net, tive conhecimento ontem que esta obra de arte esteve em BARCELONA, no início do mês passado:
A “Escultura Habitável” da autoria de Miguel Arruda, que integra a categoria de “Future Projects”, disputou no passado dia 3 de Novembro o acesso à final do WAF – World Architecture Festival, que se realizou em Barcelona de 2 a 4 de Novembro.

A “Escultura Habitável” esteve no Jardim das Oliveiras do Centro Cultural de Belém no âmbito do CCB Fora de Si, e do PortugalArte10 e da Trienal de Arquitectura.
Aquando da sua inauguração no CCB, Miguel Arruda referiu que a peça transportava “a memória formal de uma das suas primeiras esculturas da década de 60 para a actualidade e conferia-lhe a escala e a experiência espacial da arquitectura”.
O Módulo exposto na Galeria Diário de Noticias, em 1968, foi objecto de uma ampliação 56 vezes a sua dimensão inicial. “Esta nova volumetria, possibilitou um determinado teor de habitabilidade”, que lhe permitiu interpretar o conceito de Escultura Habitável.




Esta escultura viva desenhada pelo arquiteto Miguel Arruda é uma reinterpretação de uma das suas primeiras esculturas nos anos 60 e nos encaminha para o espaço de vida para uma experiência arquitetônica.
O “módulo”, descrito em uma galería durante o ano de 68, agora é 56 vezes maior que o seu tamanho original.
Esta dimensão para a nova estrutura entrega um conceito de conforto interior e trilhas ao ar livre.





"Fiz esta peça, numa escala muito menor, em 1968, para a minha primeira exposição como escultor.
Era em ferro cromado, em módulo e pela dimensão, era também manipulável.
Agora e a partir de um desafio feito por Miguel Carvalho e Stefan Simchowitz para participar na Bienal de Arte, resolvemos recriar a mesma forma, com uma escala muito superior: 42 anos depois, 56 vezes maior em relação à dimensão inicial.
De peça manipulável passou a ser uma peça penetrável pois as pessoas podem entrar e sentir o espaço interior", conta Miguel Arruda
.


8 comentários:

tulipa disse...

Com uma área de 40 m2
e concebida em parceria com a Dustrimetal e a Corticeira Amorim, a peça assenta numa estrutura metálica, feita em módulo para facilitar a sua montagem no local, sendo depois totalmente revestida a cortiça pelo exterior e também no interior,
que ostenta um pavimento 100% ecológico.

"Optámos por utilizar a cortiça exatamente como ela é, no exterior, o que lhe permite uma grande integração na paisagem.

Para o interior, contrastando com a rudeza da casca, temos a subtileza e a doçura tátil da cortiça tratada.

As pessoas ao mexerem nas paredes poderão constatar que a temperatura é idêntica à temperatura do corpo humano", reforça ainda o arquiteto.

O grande objetivo de Miguel Arruda com a sua "Escultura habitável" é não só provocar sensações mas levantar questões onde se cruza a dialética da escultura e da arquitetura:

"Nos seus limites que não existem, antes pelo contrário - podem ser pontualmente exponencializados nesta ou naquela circunstância".

Até 31 de Outubro/2010, o Jardim das Oliveiras no CCB tornou-se assim um território onde o visitante podia habitar a peça,
e como diz o arquiteto,
"experimentar uma quadridimensionalidade que projeta a apropriação da arte, a arte como lugar e o lugar como conceito de Escultura Habitável".

Sofá Amarelo disse...

Excelente escolha aproveitar o último feriado do dia 1 de Dezembro - por sinal o mais antigo em Portugal e que vai acabar por vontade do absurdo poder político - e fotografar tão excepcional obra.

O meu dia 1 de Dezembro foi bem menos emocionante: quase todo o dia a recuperar trabalho atrasado, o que também deu para descobrir fotos no meio das outras que merecem um dia ir para o blog ou para o Face.

Beijinhossssssssssss

Zé Povinho disse...

Sempre atenta e com propostas interessantes e bem detalhadas.
Abraço do Zé

Catarina disse...

Excelente. Gostei muito de ver
Bom domingo

mfc disse...

Não há dúvida que é diferente, que nos estranha... mas que nos toca também!

Pena disse...

Excelente Amiga:
Um mundo que é seu repleto de Arte e fotografia de fascínio e encanto imensos.
Parabéns sinceros.
Tem uma capacidade de surpreender pela beleza e talento em tudo o que faz.
Adorei, bem como, a sua simpática visita no meu blogue.
Abraço amigo ao seu sentir e ser geniais e perfeitos.
Com respeito e sempre a admirá-la.
Adorei.

pena

É fantástica.

O Guardião disse...

Continuo a aguardar novidades por aqui.
Cumps

Manuel Luis disse...

Não gosto de te ver triste neste Dezembro. Levanta-te e vem por aí!
Beijo com carinho.