30/12/08

PARA TERMINAR 2008

É chegado o momento de todos os balanços...pessoais, profissionais, financeiros, reformulação de desejos, traçar metas e objectivos, num mundo e sociedade cada vez mais injusto, carente de tudo.
É ou parece ser, “apenas” mais uma folha que tiramos do calendário… Pode, no entanto, ser um marco determinante de felicidade… como qualquer outra oportunidade que nos é dada…
É tempo de lembrar… de equacionar… deitar fora o que não prestou e guardar com carinho e determinação o que de melhor vivemos… Qualquer passagem conduz a novas perspectivas… Novos horizontes…
Se algo deve mudar… tem forçosamente que começar a mudar dentro de nós…
Que me recorde apenas tive outro ano idêntico a este, em 2006, mas este foi pior do que o outro, definitivamente pior. A intenção deste post precisamente no final de 2008 tem como finalidade “deitar fora o que não prestou” da minha cabeça, dos meus pensamentos e entrar em 2009 liberta de toda a tristeza e mágoa que me acompanhou durante 2008.
Tudo começou pelo simples facto de me ter inscrito no programa “Novas Oportunidades” para concluir o ensino secundário (12º ano) e ter pedido o artigo de trabalhador-estudante, para um dia por semana, apenas em 10 semanas, sair do trabalho após o almoço e assistir às sessões de grupo que implicava a minha inscrição.Quem me chefia, não achou por bem que eu fosse usufruir de algo em prol do meu benefício pessoal e como a direcção me concedeu o dito artigo, iniciou uma guerra aberta comigo logo em Fevereiro de 2008. Daí em diante, as outras colegas diziam ter “pena” de mim, nas mãos dela. Ninguém consegue imaginar a perseguição que me foi feita diariamente. Conseguiu com isso que eu caísse numa depressão major (aguda), associada a um esgotamento nervoso.
Alguns sintomas e consequências desagradáveis pelas quais passei:
O trabalho deixou de ser agradável. Passei a encarar tudo como uma obrigação e sentia falta de reconhecimento pelo trabalho que fazia.
Questionava a minha competência e comecei a duvidar das minhas próprias capacidades. A auto-confiança diminui drasticamente, passou abaixo de zero.
O entusiasmo e a energia iniciais transformaram-se em aborrecimento e fadiga crónica. Fui atingida pela depressão, solidão, ansiedade e doença física.
Numa fase terminal deste processo, o sentimento dominante é o desespero. Comecei a pensar que o esforço não vale a pena e o pessimismo em relação ao futuro apoderou-se de mim. Só me apetecia demitir-me e desaparecer por uns tempos.
Ninguém deve ter vergonha por passar por isto, é uma doença, não é capricho nem mania, nem controlamos como muita gente acha, que é uma questão de querer. Não é. É assunto sério e que deve ser conhecido, debatido, respeitado.
Agora o que mais custa e me deixa revoltada é isto ter acontecido pela maldade de alguém que usa e abusa do poder que tem, em prol de fazer mal a quem nenhum mal lhe fez.
Destrói-se com isto um ser humano e não há “castigo” para pessoas assim…?
Fui tão humilhada, a minha dignidade enxovalhada, que juro-vos, apetecia-me ir a um programa de televisão contar tudo o que ela me fez passar.
Mas… e as consequências depois?
Bem sei que em muitos outros organismos eram os próprios chefes a incentivar os funcionários a inscrever-se neste programa, quantas pessoas amigas e conhecidas estão neste momento a meio deste processo, mesmo dentro das próprias instituições foi criada uma equipa formadora neste sentido…só a mim havia de calhar esta pouca sorte!!!
Afinal, é um direito que tenho ou não?
Quero pôr um ponto final neste assunto, para iniciar um ano que espero ser bem melhor no aspecto profissional e na saúde.
Neste momento apetece-me, acima de tudo, agradecer…
E há tanto que agradecer…
A Deus… aos que me amam… aos que eu amo… a todos vós…
Agradecer o crescimento, sem perder nunca a perspectiva que crescer pode ser doloroso e que a dor não tem forçosamente que ser algo negativo.
Obrigado a todos que me visitaram ao longo do ano e me incentivaram com os vossos comentários. A todos a minha gratidão por terem tornado este inferno que passei, num paraíso sempre que estava na vossa companhia virtual.
Eu desejo sentir cada vez mais que a vida vale a pena, que os obstáculos que surjam sejam enfrentados como desafios a superar e que tenha a coragem suficiente para seguir em frente.

Termino com um pensamento adequado a esta situação:

A provação vem,
não só para testar o nosso valor,
mas para aumentá-lo;
O carvalho não é apenas testado,
mas enrijecido pelas tempestades.
(Lettie Cowman)

FELIZ ANO 2009

24/12/08

ESTOU TRISTE

Lamento não escrever coisas bonitas como todos esperam nestes dias do ano.
Eu sou aquilo que a minha alma e o meu coração sentem, daí que a minha imagem é de alguém muito destroçado.
O meu dia de ontem foi terrível, espero não ter outro idêntico tão cedo...
Também peço que respeitem o meu sofrimento e por isso não vou permitir comentários neste texto tão triste e sentido de forma tão revoltante ao mesmo tempo.
Ontem estava destinado fazer as minhas visitas de Natal a duas pessoas de quem gosto muito, que estão internadas e vão passar o Natal longe do seu lar, num lugar nada agradável.
Tenham ou não perto de si alguém de quem gostam, nunca é a mesma coisa.
Eu sei o que digo, pois trabalhei em hospitais, em enfermaria de Medicina Interna, com situações graves de pessoas muito idosas, mas...na noite de Natal, poucas pessoas ficavam lá internadas. Numa enfermaria de 28 camas, se ficassem 8 doentes era excelente, sinal de que 20 delas tinham ido passar o Natal com os seus familiares ou amigos. Se o escrevo é porque foi isso mesmo que aconteceu.
Mas, ontem... cheguei ao hospital para ver a minha melhor amiga e encontrei-a numa enfermaria de 8 camas, era a única pessoa que lá estava, ali sozinha, abandonada, entregue a si mesma. Que desolação!!!
Completamente pedrada, drogada, seja lá a palavra mais adequada, não era um ser humano que estava ali, mais parecia um vegetal, que queria balbuciar algo e nada saía, ouvi um sussurro arrastado que não se compreendia...
Eu dei-lhe beijinhos, afaguei-lhe o rosto, estava gelada, cobri-a com carinho e fiz-lhe festinhas, que mais podia fazer?
Saí de lá completamente destroçada, mas...com esperança que a próxima visita que iria fazer a outro hospital não fosse tão triste como esta.
Tinha comprado uma prenda que sabia à partida ser do gosto da minha sobrinha e estava curiosa de ver a sua reacção ao abrir a prenda.
Sinto-me bem quando compro um presente e recebo um sorriso da pessoa a quem o ofereço. Juro que era isso que eu esperava ver com os meus olhos a 2 dias do Natal, um brilho no seu olhar, mas...algo pior me aguardava.
Encontro-a também sozinha, numa enfermaria de 3 camas, ali, inerte, completamente "apagada" entregue a si mesma, destapada, virada com a cabeça para os pés da cama...arrepiei-me e a 1ª reacção que tive foi tapar-lhe os pés para não ficar gelada. Umas lágrimas correram e fiquei ali sem saber o que fazer!
Decidi chamar um enfermeiro e perguntar-lhe como ela está e tem passado... algumas respostas me foram dadas, mas à pergunta que fiz:
acha normal ela não se alimentar há tanto tempo? a sua resposta foi evasiva, dizendo que normal não é, pois!!! Perguntei então, quando lhe colocam soro para ser minimamente alimentada e a resposta foi...que "ainda" não é necessário.
A revolta ia aumentando dentro de mim, tinha vontade de gritar, dizer o que me vai na alma, não estou a gostar da forma como ela está a ser "desacompanhada" porque não acho que esteja a ser bem acompanhada...enfim...muito mais haveria a dizer, mas... fico-me por aqui.
O que significa para eles, profissionais da saúde o "ainda" é cedo...será para mim, talvez "tarde demais", tomara que eu esteja errada. Tomara Meu Deus!!!
Depois de solicitar uma folha de papel para deixar um bilhete escrito saí dali, as lágrimas continuavam a deslizar teimosamente, o choro foi aumentando e vim do hospital até casa chorando convulsivamente, conduzindo e pensando:
Isto é espírito de Natal para alguém?
Duas pessoas que me são muito queridas a sofrer, entregues ao próprio destino.
Aquilo que tiver que ser...será!!!
Nós - família e amigos - nada podemos fazer. É esta impotência que me corrói por dentro, querer ajudar e não poder.
Já tinha deixado um bilhete na mesa de cabeceira da minha amiga, outro ali...
Por isso, a todos que me lêem, se eu não passar nos vossos blogues a desejar-vos umas Festas Felizes, não me levem a mal, porque não tenho cabeça nem disposição para nada. Perdoem-me, estou a ser muito sincera.

17/12/08

Hoje APETECE-ME...

Hoje apetece-me falar de algo que sempre me incomodou nos outros, naqueles que me rodeiam – a indiferença pelos sentimentos alheios, muitas vezes a indiferença da dor de alguém de quem se dizem Amigo ou Amiga, com a maior das naturalidades...
Este mês todos falam do Natal e da Solidariedade, mas eu não me apetece falar disso, e posso dizer-vos porquê. Porque acho uma hipocrisia fingir-se preocupados com o que se passa pelo Mundo, quando não têm a mínima preocupação com aqueles que vivem ao seu lado, os tais apregoados amigos.
Ao ler a crónica de Paulo Coelho esta semana na revista Lux, dei comigo a sentir todas as suas palavras como se fosse eu a dizê-las ou escrevê-las.
Quem estiver interessado em ler a crónica ficará com uma ideia mais precisa do que quero dizer, mas para quem não tiver oportunidade de a ler, farei aqui um resumo do principal.
Realmente é muito curioso ver que muitas pessoas se orgulham da sua independência emocional.
Mas, é claro, que não é bem assim: continuam a precisar dos outros a vida inteira, mas é uma “vergonha” mostrá-lo, por isso preferem chorar às escondidas. E, quando alguém lhes pede ajuda, essa pessoa é considerada fraca, incapaz de dominar os seus sentimentos.
Há uma regra não escrita segundo a qual “o mundo é dos fortes” e “sobrevive apenas o mais apto”.
Eu, pela minha parte, continuo e continuarei sempre a depender dos outros. Dependo dos meus familiares, dos meus amigos e até dos meus inimigos, estes ajudam-me a estar preparada para a defesa, de espada em punho, mas é assim que vou desbravando o caminho, cortando as ervas daninhas e descobrindo as belas flores que existem, seguindo sempre em frente.
É claro que há momentos em que este fogo sopra noutra direcção, mas pergunto sempre a mim mesma onde estão os outros. Será que me isolei demais? Ou a indiferença deles faz com que me torne invisível?
A independência emocional não leva a absolutamente lugar nenhum – excepto a uma pretensa fortaleza, cujo único objectivo é impressionar os outros.
Paulo Coelho termina a citar um Prémio Nobel da Paz numa matéria que diz respeito à importância das relações humanas – o professor Albert Schweitzer:
“Todos conhecemos uma doença da África central chamada doença do sono. O que precisamos de saber é que existe uma doença semelhante que ataca a alma – e é muito perigosa, porque se instala sem ser percebida. Quando notar o menor sinal de indiferença e de falta de entusiasmo em relação ao seu semelhante, esteja atento! A única maneira de nos prevenirmos contra esta doença é entendendo que a alma sofre, e sofre muito, quando a obrigamos a viver superficialmente. A alma gosta de coisas belas e profundas”
É assim que eu vivo, eu alimento a minha alma de coisas belas e profundas, mas estou rodeada de pessoas que se querem mostrar mais fortes do que eu e criticam-me por ser como sou.
Espero que ainda vá a tempo de mostrar a essas pessoas que estão erradas e estão a fazer mal à sua própria alma.
Curem-se!!!
Respeitem os sentimentos dos outros!
Parem de criticar.
É esta a minha boa acção no mês de Natal.

11/12/08

MANUEL DE OLIVEIRA - 100 ANOS

Vi o filme de Manoel de Oliveira:
O Convento com John Malkovich e Catherine Deneuve.
Não é um mau filme, longe disso, diria que é um bom filme, muito longe de ser excelente, e nada que possa ser visto como uma obra de um "génio" do Cinema.
Mas, foi o 1º filme que vi de Manoel de Oliveira e escolhi-o precisamente porque foi filmado na "Serra da Arrábida" um lugar especial para mim.
Um dia, decorria o ano de 2004, passeando pela Arrábida vi que estavam equipas de filmagem e interroguei o que seria, fiquei a saber que faziam este filme e não descansei enquanto não o vi.

No filme de Oliveira, a frase que supostamente revela o humor do filme:
Quem neste convento entrar, não ouvir, não ver, não falar.

O grande trunfo do filme, é a utilização do belíssimo cenário da Arrábida e do seu convento. E a personagem de Deneuve: Heléne? Como compreendê-la? Será uma citação de Helena de Tróia que levou as cidades gregas à guerra? O pomo da discórdia? É uma personagem estranha que tenta o proprio demo, que se sente irremediavelmente atraído por ela? Heléne é de facto a personagem mais interessante deste filme, precisamente porque é a mais misteriosa. Coloca-me questões. Os outros são todos demasiados óbvios.

Em suma um bom filme. Foi filmado em finais de 1994, no Convento da Arrábida, inspirado numa ideia original de Agustina Bessa-Luís.

Manoel de Oliveira é um dos realizadores mais importantes, não só ao nível do país, mas mesmo internacionalmente. Não é qualquer realizador que é homenageado em festivais de cinema como o de Cannes e vários outros.
Neste filme, o professor Michael Padovic é um investigador norte-americano que está a trabalhar numa tese que se destina a provar que Shakespeare tinha ascendência espanhola e não britânica. Mas faltam-lhe alguns documentos essenciais, os quais julga estarem nos arquivos do antiquíssimo Convento da Arrábida, em Portugal.
Por esta razão, ele e a sua mulher, Hélène, viajam de Paris até à Arrábida, onde se instalam. O seu anfitrião é o guardião do convento, uma estranha personagem que dá pelo nome de Baltar.
Há qualquer coisa de misterioso em Hélène que cativa Baltar. Para distrair a atenção do marido, sugere-lhe que contrate como sua assistente, Piedade, a nova arquivista do convento.
Hélène descobre que o marido a rejeita em favor do trabalho e o facto de Piedade ser jovem e bonita aumenta ainda mais a tensão, servindo ao mesmo tempo os propósitos diabólicos de Baltar e a subtil manipulação de Hélène. A situação torna-se extremamente bizarra e culmina de forma inesperada.

PARABÉNS
MANOEL DE OLIVEIRA

06/12/08

MUITO OBRIGADO


Estamos num mês que, geralmente é associado à solidariedade entre os povos, embora eu não aceite essa ideia, para mim a solidariedade faz-se durante todo o ano, quando se quer...tenho que respeitar quem pensa e age dessa forma.
Em espírito de alegria e muita gratidão aceito o "miminho" que um Amigo me concedeu.
A partir de agora o meu cantinho é um Masterblog.
A classificação foi atribuída pelo http://nothingandall.blogspot.com/ a quem agradeço a gentileza.
Estou em dívida com uma Amiga que passou de "virtual" a real do blog http://myshinningmoon.blogspot.com/
Em Outubro passado encontramo-nos e ela ofereceu-me estas prendas que adorei.
Uma prenda personalizada - quadro "Tulipa" e um porta-chaves em ponto de cruz.
Ela fez destaque do "nosso encontro" no post do dia 8 de Outubro passado e eu nunca tinha aqui mencionado o facto de nos termos conhecido, embora ela saiba que adorei.
De visita ao seu blog reparei que ela oferecia este prémio e, enchi-me de coragem e trouxe-o comigo. Muito obrigado Amiga!
Não vou cumprir com as regras de atribuição do prémio.
Deveria enviar o mesmo para 7 pessoas cujos blogues são uma inspiração, mas todos os blogues que visito são diferentes, e todos têm sempre algo de novo para me oferecer. Por isso, digo o mesmo que ela, estejam à vontade para levar o prémio convosco!

O saquinho com rebuçados que a minha nova Amiga ofereceu à minha neta, que fazia 6 anos precisamente dia 8 de Outubro. A Catarina adorou e agradece.

29/11/08

Feira de Arte - Hospital de Santa Marta - Lisboa

( clicar para aumentar e ver melhor)





MEUS AMIGOS
Para muitos de vós já não é novidade que a minha sobrinha teve que voltar para o Hospital de Santa Marta, em Lisboa e aguarda o transplante de coração, do qual já falei no início deste ano, quando ela estava lá internada.
Também já fiz referência no meu blog aos trabalhos de artesanato que a Tânia faz, enquanto vai passando a sua vida na cama, em casa ou no hospital.
Desta vez, ela foi surpreendida pelo convite que lhe fizeram de colocar uns trabalhos seus numa "Feira de Arte" lá mesmo no Hospital, entre os dias 2 e 12 de Dezembro.
Quem quiser visitar o seu blog, lá verá o link para a página de artesanato:
Todos os dias rezo um SANTO ANJO por mim e por todos os meus:
'SANTO ANJO DO SENHOR, MEU ZELOSO GUARDADOR, SE A TI ME CONFIOU
A PIEDADE DIVINA, SEMPRE ME REGE, ME GUARDE,ME GOVERNE, ME ILUMINE.
AMÉM.'

O Gsolidário é um site de pesquisa que utiliza o motor de busca do Google. Os resultados apresentados são os mesmos resultados obtidos quando a pesquisa é feita no Google.
A diferença é que ao pesquisar no Gsolidário está a ajudar a angariar dinheiro para instituições de solidariedade social e outras entidades com o mesmo fim social.
O Gsolidário é um site independente do Google. Apesar de ser do conhecimento desta marca americana, o Projecto Gsolidário foi criado por dois jovens com o objectivo de ajudar quem mais necessita de uma forma útil aproveitando os hábitos de uma sociedade contemporânea.
O dinheiro é adquirido através dos cliques efectuados nas publicidades que são colocadas pelo Google nas margens do Gsolidário. O objectivo deste projecto é precisamente ajudar instituições de solidariedade social oferecendo o dinheiro que se angaria.
http://www.gsolidario.org/

O espaço de votação teve início às 00h00 do dia 26 de Novembro e termina às 23h59 do dia 3 de Dezembro de 2008.
Venha votar todos os dias.
Ao votarmos solicitam o nosso endereço de mail e depois recebe-se um e-mail para confirmarmos o voto, como aconteceu comigo:
Caro participante,
Para que o seu voto seja validado clique aqui.
Assim fiz, cliquei e depois aparece:
Obrigado pelo seu apoio. Vote na instituição que acha que merece este prémio*. O espaço de votação teve início às 00h00 do dia 26 de Novembro e termina às 23h59 do dia 3 de Dezembro de 2008. Venha votar todos os dias.
O seu voto foi registado com sucesso.
Não custa nada, usar uns minutos do seu tempo em prol desta causa.

26/11/08

ÍNDIA



Tudo serve para que os turistas façam uma fotografia a troco de uma gorjeta - um macaco empoleirado num pau alto, para que chegue à janela do autocarro cheio de turistas...


A Índia no seu estado puro



22/11/08

Namastê

Durante 10 dias foi este gesto que me acompanhou diariamente; o cumprimento que todos fazem na Índia: Namastê.
Finalmente concretizei o sonho de visitar a Índia.
Tudo correu perfeitamente, desta vez não houve perda de bagagem, as malas seguiram sempre para o seu destino a tempo e horas. Estou satisfeita com o trabalho da Lufthansa, melhor é impossível. Aviões com espaço considerável, atendendo a outros que conheço e não são do meu agrado. Aterragens magníficas, como se pousassem num maço de algodão, nem sentíamos o toque no solo, enfim...quem sabe, sabe!!!





Para lá, de Munique para Delhi, cada lugar tinha nas costas da cadeira da frente um televisor que servia cada passageiro, daí que eu escolhi o que quis ver e aproveitei para ver 2 filmes, pois o tempo de viagem seria de 7 horas e estive mais de 3 horas entretida a ver os filmes que escolhi.
Ao meu lado, aquela que seria a minha companheira de quarto e de viagem por 10 dias, fomo-nos conhecendo desde a viagem de Munique para Delhi.
Tudo foi perfeito!
A India é muito mais que um país.
É na realidade um vasto continente onde a mescla de raças, as gentes, os idiomas, costumes e tradições provocam um magnetismo dificil de resistir.
São sem duvidas as suas gentes, a cor, o aroma, e a relação entre o passado e o presente que constitui um dos seus maiores encantos.
Ali espreitam palácios sumptuosos, cidades apinhadas de gente, templos maravilhosamente decorados, mesquitas deslumbrantes, lugares de peregrinação ao longo das águas sagradas do Ganges, trabalhadoras do Rajastão com saris de cores vivas exibindo largos sorrisos e o incenso envolvendo os fiéis em templos magnificos. A moeda da India é a Rupia. 1 € equivale a 59 Rupias.
Clima Tropical. Apanhei temperaturas entre 13-31ºC agora em Novembro.
Mais 5h30 em relação a Portugal Continental.


“Ou se adora ou se detesta” é o cliché habitual.
Eu, que lá estive, não consigo analisar deste modo tão sucinto; nem se adora nem se detesta. Aprende-se muito vivenciando o dia a dia, minuto a minuto, é um mundo diferente do nosso, mas...há um pouco da Índia em toda e qualquer parte do mundo.
Eu tive o privilégio de ver...Sim, está lá tudo bem à mostra. A poluição e as obras intermináveis (do Metro) do caos urbano de Delhi, a miséria, as pessoas largadas semi-nuas pelo chão, a sujidade, as vacas e o seu estrume, as crenças religiosas, os hábitos estranhos, as contínuas tentativas de impingir mais qualquer coisa.
É preciso uns dias para uma pessoa se ambientar à Índia. Apesar de já ter viajado por vários países que nos parecem muito “diferentes”, esses dias de ambientação são quase obrigatórios. Mais do que isso, esses dias são necessários para mudar de chip. Do chip Europeu para o Asiático. Do organizado para o desorganizado. Do limpo para o sujo. Do “preço fixo” para a negociação.
Foi a minha 1ª vez na Ásia, pisei um outro continente.

09/11/08

Opinião de um "Homem"


Opinião de um homem sobre o corpo feminino
Não importa o quanto pesa.
É fascinante tocar, abraçar e acariciar o corpo de uma mulher.
Saber seu peso não nos proporciona nenhuma emoção.
Não temos a menor idéia de qual seja seu manequim.
Nossa avaliação é visual, isso quer dizer, se tem forma de guitarra... está bem.
Não nos importa quanto medem em centímetros - é uma questão de proporções, não de medidas. As proporções ideais do corpo de uma mulher são: curvilíneas, cheinhas, femininas... . Essa classe de corpo que, sem dúvida, se nota numa fração de segundo. As magrinhas que desfilam nas passarelas, seguem a tendência desenhada por estilistas que, diga-se de passagem, são todos gays e odeiam as mulheres e com elas competem. Suas modas são retas e sem formas e agridem o corpo que eles odeiam porque não podem tê-los. Não há beleza mais irresistível na mulher do que a feminilidade e a doçura.
A elegância e o bom trato, são equivalentes a mil viagras.
A maquiagem foi inventada para que as mulheres a usem. Usem! Para andar de cara lavada, basta a nossa. Os cabelos, quanto mais tratados, melhor.
As saias foram inventadas para mostrar suas magníficas pernas... Porque razão as cobrem com calças longas? Para que as confundam conosco? Uma onda é uma onda, as cadeiras são cadeiras e pronto. Se a natureza lhes deu estas formas curvilíneas, foi por alguma razão e eu reitero: nós gostamos assim.
Ocultar essas formas, é como ter o melhor sofá embalado no sótão.
É essa a lei da natureza... que todo aquele que se casa com uma modelo magra, anoréxica, bulêmica e nervosa logo procura uma amante cheinha, simpática, tranqüila e cheia de saúde. Entendam de uma vez!
Tratem de agradar a nós e não a vocês. porque, nunca terão uma referência objetiva, do quanto são lindas, dita por uma mulher.
Nenhuma mulher vai reconhecer jamais, diante de um homem, com sinceridade, que outra mulher é linda. As jovens são lindas... mas as de 40 para cima, são verdadeiros pratos fortes.
Por tantas delas somos capazes de atravessar o atlântico a nado.
O corpo muda... cresce.
Não podem pensar, sem ficarem psicóticas que podem entrar no mesmo vestido que usavam aos 18. Entretanto uma mulher de 45, na qual entre na roupa que usou aos 18 anos, ou tem problemas de desenvolvimento ou está se auto-destruindo. Nós gostamos das mulheres que sabem conduzir sua vida com equilíbrio e sabem controlar sua natural tendência a culpas.
Ou seja, aquela que quando tem que comer, come com vontade (a dieta virá em setembro, não antes; quando tem que fazer dieta, faz dieta com vontade (sem sabotagem e sem sofrer); quando tem que ter intimidade com o parceiro, tem com vontade; quando tem que comprar algo que goste, compra; quando tem que economizar, economiza.

Algumas linhas no rosto, algumas cicatrizes no ventre, algumas marcas de estrias não lhes tira a beleza. São feridas de guerra, testemunhas de que fizeram algo em suas vidas, não tiveram anos 'em formol' nem em spa... viveram!
O corpo da mulher é a prova de que Deus existe.
É o sagrado recinto da gestação de todos os homens, onde foram alimentados, ninados e nós, sem querer, as enchemos de estrias, de cesárias e demais coisas que tiveram que acontecer para estarmos vivos.
Cuidem-no!
Cuidem-se!
Amem-se!
A beleza é tudo isto.
Paulo Coelho (Escritor)
Estou de molho, febre, arrepios de frio...huuummmm, adivinho o que vem por aí. Hoje o meu post tem a ver com um mail que recebi e, ao fim de vários meses com a minha auto-estima abaixo de zero...adorei ler o que Paulo Coelho escreve.
Obrigado Elvira (http://6feira.blogspot.com/)

Tomara todos os homens do Mundo, nos vissem pela mesma perspectiva que Paulo Coelho.
Ofereço esta flor a todas as mulheres do Mundo.

03/11/08

...sem título...

As "Tulipas" também murcham...

30/10/08

Dia Nacional da Prevenção do Cancro da Mama



Recebi por e-mail:
SEJAM SOLIDÁRIOS E PASSEM ESTE E-MAIL A TODOS OS VOSSOS CONTACTOS!!

AMIGAS:
No dia 30 de Outubro comemora-se o Dia Nacional da Prevenção do Cancro da Mama.
Assim, a Associação de Mulheres Mastectomizadas ' AME e VIVA a VIDA ' vai promover nesse dia uma acção de sensibilização alertando as todas mulheres para prática do auto-exame, realização de mamografias e consultas médicas periódicas, distribuindo nas 18 capitais de Distrito folhetos alusivos à doença.
Para simbolizar esse alerta convidamos todas as mulheres a vestir, no dia 30, uma peça cor-de-rosa no seu vestuário - DIA da MULHER ROSA - vamos colorir Portugal de Cor-de-Rosa.
Esta acção vai ajudar as mulheres na luta contra o cancro da mama e elege dois lemas:
- ' Saiba o que lhe vai no peito'
- ' Vamos acabar com o tabu do Cancro '

No dia 30, todas de cor-de-rosa, PLEASE!!

Pois, como não devo sair de casa e não me vou vestir de cor-de-rosa, aqui presto a minha homenagem a todas as mulheres vítimas deste mal.

Hoje elas, amanhã nós, ninguém sabe o que o futuro nos reserva!!!

28/10/08

É o País que temos...

Erros de medicação matam sete mil pessoas por ano:
mais uma notícia assustadora
Li que "os erros de medicação nos hospitais “são inerentes à condição humana” e, por isso mesmo, inevitáveis. Os farmacêuticos hospitalares “são competentes”, o problema está no sistema. Isto porque em muitos casos os profissionais “trabalham em condições de stress e são em pouco número”.
“Neste momento, há uma política de diminuição dos efectivos nos hospitais, que muitas vezes trabalham em condições deficitárias”
Os motivos para o erros são inúmeros. Começam a prescrição do medicamento (a letra do médico pode ser ilegível, haver confusão com a dose, ou como a forma como deve ser tomado) e terminam com o enfermeiro a dá-lo ao doente (aqui pode haver engano no medicamento – é raro, mas pode acontecer – ou no doente. Estamos entregues à "sorte"...
Mensagens dos funcionários dos impostos foram inspeccionadasA Inspecção-geral de Finanças (IGF) analisou milhares de mensagens de e-mail de centenas de funcionários dos impostos e leu o conteúdo de muitas dessas mensagens, designadamente as enviadas para órgãos de comunicação social com o objectivo de identificar fugas de informação. A consulta, feita sem conhecimento dos autores, foi realizada no âmbito de uma auditoria da IGF prevista no seu plano de actividades para 2006, que mereceu a concordância do ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos, em Novembro de 2005. O anterior responsável da máquina fiscal denunciou um conjunto de situações que, segundo ele, indiciavam fugas de informação por parte dos funcionários que, dessa forma, violavam o dever de sigilo a que estão sujeitos. No âmbito das investigações, foram ainda detectadas várias situações anómalas dentro da Direcção-geral dos Impostos (DGCI), como o desaparecimento de documentos ou a existência de programas para decifrar as password dos funcionários. O DIAP tentou ainda saber quem é o autor, ou os autores, do Jumento, um blogue que se dedica, essencialmente, a escrever sobre situações passadas na DGCI.



A maioria dos bancos atende mal no crédito à habitação. A conclusão é da Deco/Proteste, que visitou 331 balcões, de 16 bancos, para avaliar as informações dadas pelos bancos quando um cliente quer contrair um empréstimo à habitação.“Duas em cada três agências chumbaram no atendimento por falhas de informação”, revela o estudo da ‘Dinheiro & Direitos’. Entre as informações não prestadas, estão informações gerais obrigatórias sobre os diferentes tipos de empréstimos, garantias e opções de reembolso, numa fase inicial de negociação. Nos últimos 6 meses, o montante de crédito em cobrança duvidosa cresceu de 1,26 para 1,41 por cento, o que, segundo a DECO, reforça a necessidade de as instituições informarem bem quem precisa de um empréstimo. Em 2001, a maioria dos bancos comprometeu-se a informar bem os consumidores, ao aderir de forma voluntária ao código de conduta do crédito à habitação. Mais tarde, em 2003, o Banco de Portugal obrigou-os a dar parte dessa informação numa fase inicial da negociação e definiu que os tipos de empréstimo e de taxas, garantias exigidas, opções de reembolso e outras informações deveriam ser condensadas num documento único, a que se dá o nome de ficha de informação geral obrigatória. No entanto, 63 por cento das agências que a DECO visitou continua a não respeitar as regras da transparência.
É o País que temos!!!

22/10/08

PARIS - Juliette Binoche

Voltei às salas de cinema desta vez para ver um filme francês.
Do realizador d'A Residência Espanhola e d'As Bonecas Russas, Cédric Klapisch, chega "Paris", uma homenagem à mítica cidade francesa e aos seus habitantes, com alguns dos mais talentosos actores franceses, entre os quais Juliette Binoche e Romain Duris. Um parisiense adoece e começa a questionar-se sobre a morte. O seu novo estado dá-lhe um novo e diferente olhar sobre tudo o que o rodeia e as pessoas com quem se cruza. Ao sentir a morte por perto, começa a dar um outro valor à sua vida, à vida dos outros e à vida da cidade. Desde a padeira à assistente social, um arquitecto, um professor universitário, um clandestino, uma modelo - todas estas pessoas estão por Paris.
Podemos pensar que não são excepcionais, mas para cada um, a sua vida é única. Podemos pensar que os seus problemas são insignificantes, mas para eles são os mais importantes do mundo.
Um filme que me fez quase dormitar nos primeiros vinte minutos, a história demasiado parada, só que depois de eu começar a perceber a história do filme fui-me interessando e abrindo os olhos para a dura realidade. Um jovem rapaz descobre que padece de um problema no coração e a única alternativa é mesmo um transplante cardíaco - um problema que me acompanha desde há um ano a esta parte, com uma familiar minha nessa situação.
A indiferença da parte de quem o rodeia, o afastamento dos amigos ou seja daqueles que se diziam seus amigos, porque se o fossem na verdade, não se afastavam...dilema que eu estou a sentir nos ultimos 6 meses de vida, que deixará marcas negativas com toda a certeza, mas que me fez abrir os olhos e ver com quem posso contar na realidade.
Apenas a sua irmã, Juliette Binoche, se muda de bagagens e 3 filhos para sua casa e toma conta dele, faz-lhe companhia até ao fim. Organiza festas para que ele possa conviver com os «tais amigos», faz tudo para o ver feliz.
Este jovem passa a maior parte do seu dia, na varanda de sua casa e muitas vezes à janela, olhando o Mundo. Só. Tristemente só.
Mas o filme não é só tristeza nem drama, felizmente há, também, momentos de alegria e animação.


A dancer laid low by heart disease looks out of his window and finds dance in the city and the people who live in it
It was not the first time Klapisch worked with actor Romain Duris.
In Paris, Duris plays a young Parisian who might be terminally ill, and who starts to see the world differently because of the fact he might soon die. As a result he falls in love with life everywhere in the city: as lived by people as different as a baker, a social worker, a dancer, an architect, a homeless man, a university professor, a model and an illegal immigrant.
Two giants of French cinema, Juliette Binoche and Romain Duris.
Both shine a quiet confidence. She plays an uptight social worker; he’s a dancer dying of a heart condition. Their story is interweaved with a midlife crisis TV academic (Fabrice Luchini) who seduces a student by text messages; a coterie of food-market workers who fight over the same woman.
Director Cedric Klaspich takes a naturalistic tone and threads nicely through each story, allowing his camera to savour old and new sides of the city.
Death comes to some and cupid lovers in the air, while Duris lies in the back of a taxi, in a scene inspired by The Diving Bell and the Butterfly, admiring the view.

18/10/08

OUTONO no Porto

Imagens do Outono, no Porto.
As cores que me fascinam nesta estação do ano.

Algumas pombas refugiam-se nos ramos das árvores, para o sossego que não conseguem cá em baixo, com as pessoas a correr de um lado para o outro.


“A paciência torna mais leve o que a tristeza não cura." - (Horácio)


“O silêncio é um amigo que nunca trai.” - (Confúcio)



Há dias em que as palavras são a terapia de que a alma necessita. Chegaram devagarinho, no silêncio da noite e confortaram-me.
No Porto isto foi possível...

13/10/08

Caloiros - Praxe

Ideia louvável tiveram os caloiros de Medicina da Universidade de Lisboa.
“Boa tarde, quer ser dador de medula?”. Esta podia ser uma das perguntas com que os estudantes do primeiro ano de Medicina abordaram as pessoas que passavam pelo Cais do Sodré. Quem aceitou a proposta recebeu um panfleto dos alunos, dirigiu-se a uma carrinha da Santa Casa da Misericórdia onde preencheu um pequeno inquérito, tirou dois tubos de sangue e recebeu uma caneta sem sequer reparar que estava a ter um papel importante numa praxe.
O finalista de medicina e principal organizador desta actividade estava com o brilho nos olhos de missão cumprida e bem cumprida. Há mais de três anos que imaginava haver dentro da semana da praxe espaço para uma actividade diferente. A diferença foi uma atitude nobre: a organização de uma praxe que envolveu a Associação Portuguesa contra a Leucemia, o Centro de Histocompatibilidade do Sul e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa para dar seguimento ao “trabalho” dos caloiros de angariar pessoas para serem dadores de medula óssea.
Antes do frente-a-frente com as pessoas os alunos assistiram a uma aula sobre leucemia onde aprenderam detalhes sobre a doença e a doação de medula óssea para poderem informar os possíveis dadores.

Parabéns pela iniciativa, porque mais tarde alguém agradecerá.
Só com amor - que se mostra na alegria do dia-a-dia e na vontade de ajudar - poderemos mudar o mundo, que começa com a nossa mudança!
Os estudantes de Medicina da Universidade de Lisboa deram um excelente exemplo ao país ao promover uma angariação de dadores de medula óssea.
Quando a praxe é isto, falamos verdadeiramente em integração.
Outro exemplo:
Alunos caloiros da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Beja (ESTIG), uma das quatro do Instituto Politécnico local, foram praxados com plantação de árvores na cidade e trabalhos de limpeza da mata municipal.
Cerca de 120 caloiros, com o apoio da Câmara, plantaram oito árvores junto à residência de estudantes do Instituto Politécnico de Beja (IPB).
"É um exemplo do espírito construtivo das praxes do IPB, que, longe de humilhar os novos alunos, procuram sempre ter uma componente cívica e inserir os caloiros na vida académica e na cidade".
Espero que estes exemplos tenham frutos idênticos nos próximos anos.

08/10/08

Hoje é dia de festa - 6 anos

HOJE É DIA DE FESTA...





HOJE É DIA DE PRENDAS...de preferência cor-de-rosa!!!
Hoje é dia de Alegria...Amor...Cumplicidade...Carinho...Brincadeiras.
Miminhos e beijinhos.



Passei a minha infância e mocidade sem nenhuma presença de Avós!!!
Nunca soube o que era ter Avós! Estavam longe...muito longe.
Não tenho memórias dessas na minha história de vida.
Nem miminhos, nem beijinhos, nem abraços, um colinho...
Por isso...não sabia o que os Avós faziam aos netos.
Ninguém me ensinou a ser Avó.
Mas, hoje sou Avó e aprendi sozinha a ser Avó.
É instintivo!!! Pois se eu soube ser Mãe sozinha, sem aprender, porque não haveria de também saber ser Avó...?
Felizmente, os meus netos poderão contar a história da vida deles com a presença dos avós, muito diferente da minha.
Fui Avó, faz hoje, 6 anos.
No dia em que o meu único filho, me deu a Catarina, minha querida neta.
Lembro-me como se fosse hoje. Nesse dia renasci e tenho passado por momentos jamais imaginados, preciosos e inesquecíveis.
Este ano a Catarina entrou para a escola, já é uma senhorinha responsável, daqui a uns anos já poderá ler o blog da avó, tomara eu poder assistir a esse momento. Obrigada minha querida NETA, minha vida, meu amor!
Não sei pintar numa tela, o vulcão de alegria que sinto na alma.

30/09/08

POEMAS SEM FRONTEIRAS

Foi com emoção, e os olhos marejados de lágrimas que vi o meu nome e a minha escrita, publicados num livro de poesia.
Desde pequena que sempre adorei escrever, brincar com as palavras...
Este sonho concretizou-se em Março de 2005, com a abertura de um blog, ali eu podia dar asas à minha imaginação e, assim o fiz.
Há quem diga que a escrita é um acto de solidão. Sim, concordo.
Na vida tenho tido situações graves de injustiça, incompreensão, falta de carinho, desprezo até, que me deixam muito triste e, consequentemente refugio-me na escrita.
Através de «Amigos» que conheci na blogosfera tive conhecimento de um concurso de poesia este ano e decidi participar, era a minha 1ª vez. Há sempre uma primeira vez para tudo.


Foi um sucesso o almoço de convívio para lançamento do livro e entrega de prémios do "Poemas sem Fronteiras", resultante do Concurso de Poesia 2008 do "Ora Vejamos..." organizado pelo Henrique Sousa, em Leiria.
Para conhecer a obra e dado que não está disponível nos circuitos comerciais habituais, podem adquirir o livro directamente pela net no endereço que passo a indicar:http://www.lulu.com/content/3113719
O encontro decorreu num ambiente muito agradável e familiar.
Por coincidência, estavam presentes as duas participantes cuja idade fazia a diferença mínima e máxima de todos os participantes.
Catarina Norte com 10 anos e recebeu 2 Menções Honrosas neste concurso.
Maria Teodora, uma senhora de 83 anos de idade... que escreve belos sonetos, com uns olhos brilhantes de sabedoria e muito amor para dar. Com Maria Teodora estavam a Maria Carvalhosa e sua mãe Noémia Carvalhosa. Três gerações..três amantes da Poesia!
Eu tive a sorte de ficar junto a estas Senhoras, o que me fez sentir uma estrela entre Estrelas. Foi um dia muito especial para mim. Um dia inesquecível que transportarei comigo e hei-de passá-lo por palavras e imagens aos meus netos.

23/09/08

Nostalgia

Ao fim da tarde
ouvi o Outono chegar.
Vinha disfarçado de vento quente,
mas arrastava folhas secas
e eu soube
que tinha chegado de mansinho
para não assustar ninguém.
Trazia memórias de praias desertas,
de céus cinzentos,
de marés vivas.
Tenho melancolias mais profundas,
saudades do que não conheço.
E as memórias das vitórias
são feitas de água salgada,
ardem nas feridas,
mas têm sabor.
Outono:
Estação do ano que eu prefiro
Não tem tanto charme como uma Primavera
ou um Verão, mas tem o seu encanto específico.
E assim, nos encontramos no início de
um Outono, neste ano de 2008.
Vou por aí, à procura de paisagens, de carinhos e afectos, de sinais...mas, deixo-vos a letra desta canção que estão a ouvir. Num momento de nostalgia, podem acompanhar a música com a letra.

No me abandones así
hablando sólo de ti.
Ven y devuelveme al fin
la sonrisa que se fue.
Una vez más tocar tu piel
el hondo suspirar.
Recuperemos lo que se ha perdido.

Regresa a mí,
quéreme otra vez,
borra el dolor
que al irte me dio
cuando te separaste de mí.
Dime que sí
Yo no quiero llorar,
regresa a mí.

Extraño el amor que se fue,
extraño la dicha también.
Quiero que vengas a mí
y me vuelvas a querer.
No puedo más si tú no estás,
tienes que llegar.
Mi vida se apaga sin ti a mi lado.

[Chorus]

No me abandonas así,
hablando sólo de ti.
Devuelveme la pasión de tus brazos.

[Chorus]

18/09/08

PRÉMIO DARDOS: DeAbrilemdiante laureado pelo Nothingandall

Chegou o dia de nomeações e agradecimentos!!!
Sei que já devia ter feito isto há muito tempo, mas... o dia chegou.
Recebi este prémio do Amigo Fernando, do blog: http://nothingandall.blogspot.com/
o que agradeço reconhecidamente.
Agora cumpre-me a obrigação de nomear os meus premiados porque «este prémio deve seguir para mais Bloguistas, que se pretende homenagear, pela criatividade, inteligência e cultura...».

Eu dou o prémio a:
http://pitangadoce.blogspot.com/
http://ocheirodailha.blogspot.com/
http://paralemdemim.blogspot.com/
http://pretexto-classico.blogspot.com/
http://queconversa.blogspot.com/
http://vieiracalado-poesia.blogspot.com/
http://romasdapaula.blogspot.com/
http://poetaeusou.blogspot.com/


Desde já agradeço à prima Ângela, do blog http://anossauniao.blogspot.com/ pelo carinho de mais um prémio.
Aquando da recepção deste prémio deve criar uma página que o mostre,e citar o nome da pessoa que o ofereceu, indicando e criando o link para o seu site ou blog.
2 - Procurar um mínimo de 7 blogs ou sites que você ache que brilham pelo tema ou pelo seu desenho.
Citá-los na página com os links e avisá-los de que eles obtiveram o prémio "Brillante Weblog"
Qualquer pessoa doutro site ou blog pode oferecer o prémio a alguém que já o tenha recebido.
AVISO: os nomeados são os acima mencionados e mais um:


A minha sobrinha «pikenatonta» escreveu:
Para mim qualquer blog que salve amiguinhos de quatro patas faz a diferença.
Qualquer blog que me faça rir e ficar bem-disposta faz a diferença.
Qualquer blog que fale de doenças, ambiente ou exclusão social faz a diferença.
Qualquer blog que me dê a conhecer bons filmes, bons livros e boas receitas faz a diferença. Qualquer blog pessoal que me faça conheçer melhor outra pessoa faz a diferença... Fui precisa? Eu sei que não... Mas já pensei e repensei e não consigo mesmo pensar apenas em cinco... Se achas que o teu blog está aqui incluido, parabéns, para mim fazes a diferença! :)
Eu respondi-lhe que, entre estes atributos todos, o meu humilde blog, por vezes dá a conhecer bons filmes e bons livros, daí...ela achou que eu merecia a nomeação e cá estou para lhe agradecer, do fundo do coração.

Agora sou eu que passo estas nomeações a quem achar que as merece, sintam-se à vontade para o fazerem, como se estivessem em vossa casa.

11/09/08

FESTIVAL DOS OCEANOS

Fiz aqui referência ao «Festival dos Oceanos» que decorreu em Lisboa no mês de Agosto, disse que gostaria de assistir a um dos espectáculos «Mergulho para as Águas» e assim fiz.



Levei a companheira predilecta para este género de espectáculos.


Aqui estão os 4 participantes: 3 homens e 1 mulher.


Com o apoio do Continente e da Rádio Comercial, aqui está o autocarro do Festival dos Oceanos.

(imagens minhas)

09/09/08

Música e Cinema em Lisboa durante o mês de Setembro

Música:
Ascensores de Lisboa sobem e descem ao som do jazz durante o mês de Setembro
Quem utilizar os quatro ascensores públicos de Lisboa durante o mês de Setembro poderá "dar de caras" com contrabaixos, trompetes e saxofones, instrumentos convocados para uma série de concertos intitulada "Jazz às onze".
Durante os quatro sábados de Setembro, pode dizer-se que os utentes dos ascensores da Bica, Lavra, Glória e Santa Justa terão "música de elevador", mas neste caso é ao vivo e a cores, partilhando as pequenas cabinas com músicos portugueses. Estes concertos, que acontecerão às 11:00 e às 23:00, fazem parte das Festas de Lisboa, numa parceria entre a Carris e o Hot Clube de Portugal, a celebrar 60 anos de actividade. Não havendo um alinhamento fixo para os concertos, a paleta sonora poderá ir dos clássicos do jazz à improvisação.


O primeiro ascensor a receber o "Jazz Às onze" é o da Glória, que liga os Restauradores a São Pedro de Alcântara, com Gonçalo Leonardo (contrabaixo), Gonçalves Marques (trompete), Nuno Martinho (guitarra) e Tiago Batista (guitarra).
A 13 de Setembro, o sobe-e-desce musical será no elevador de Santa Justa, que vai do Largo do Carmo à Rua do Ouro, onde estará a cantora Mariana Norton, com o contrabaixista André Carvalho, o guitarrista André Santos, o saxofonista Daniel Vieira, o baterista Miguel Moreira e quem mais couber.
O jazz andará pelo Elevador da Bica, do Largo do Calhariz à Rua de São Paulo, no dia 20 de Setembro, com André Santos, Bruno Pernadas (guitarra), Daniel Vieira (saxofone) e Pedro Pinto (contrabaixo).
A fechar o "Jazz às onze", no Ascensor da Lavra (da Rua Câmara Pestana ao Largo da Anunciada) "picam" bilhete os repetentes André Santos e Bruno Pernadas, além de César Cardoso (saxofone) e Zé Maria (saxofone).
Para entrar no "Jazz às onze" paga-se o bilhete normal de uma viagem.

A freguesia da Lapa vai organizar mais um Cine Lapa, a sétima edição do evento, novamente no Jardim da Estrela, em Lisboa.
A entrada é gratuita e a primeira das sete projecções (de filmes que já tenham estreado nas salas de cinema) realizou-se dia 6, pelas 21h30, com o filme "Astérix nos Jogos Olímpicos". Se o tempo ajudar, até dia 12 são várias as propostas para se despedir do Verão com cinema ao ar livre.

04/09/08

"Rentrée" Literária

Dezasseis vencedores do Nobel marcam "rentrée" editorial
Livros de pelo menos 16 escritores galardoados com o Prémio Nobel de Literatura, entre os quais José Saramago, vão ser lançados até ao final do ano em Portugal, o que constitui, se não uma raridade, uma marca de diferença desta "rentrée" editorial.
Alguns dos títulos, de autores vivos ou já falecidos, são editados pela primeira vez em Portugal. Quanto às reedições, aparecem na sua maioria com novas traduções. Das editoras contactadas pela agência Lusa, a Dom Quixote é a que maior número de autores com Nobel da Literatura dá à estampa: seis, no total, sendo dois em reedição com nova tradução e quatro novidades.
As duas reedições são "Os ratoneiros", de William Faulkner, Nobel em 1949, com tradução de Ana Maria Chaves (de Manuel Barbosa, na primeira edição), e "O deus das moscas", de William Golding, Nobel em 1983, traduzido por Manuel Marques (por Luís de Sousa Rebelo na primeira). Estes dois romances foram transpostos para o cinema - "O deus das moscas" em 1963, com realização de Peter Brook, e "Os ratoneiros" em 1969, pela mão de Mark Rydell.

"As avós e outras histórias" é o título do novo livro de Doris Lessing que a Editorial Presença vai fazer chegar às livrarias já a partir de amanhã.
Constituído por quatro contos que a crítica classificou como "obras de arte", este é o terceiro livro da autora publicado em Portugal pela Presença, depois de "O sonho mais doce" e "A fenda".
"As avós", "Victoria e os Staveney", "O motivo" e "O filho do amor" são as novas histórias que chegam aos leitores portugueses.
Aos 88 anos, a escritora britânica Doris Lessing já escreveu mais de meia centena de livros e ganhou inúmeros prémios, dos quais se destaca o Prémio Nobel da Literatura em 2007, tendo sido a autora mais idosa a conquistar o galardão. Os temas abordados pela escritora são diversificados e vão da autobiografia à ficção científica, passando pelo romance.
Nascida em Kermanshah, no Curdistão Iraniano, Lessing viveu em vários países, tais como Zimbabwe e África do Sul, mas foi em Londres que se fixou e aí publicou "The grass is singing" (1951).



De Gunter Grass, Thomas Mann, J.M. Coetzee e V.S. Naipaul, vencedores do Nobel em 1999, 1929, 2003 e 2001, respectivamente, a Dom Quixote traz dois textos de ensaio - "Escrever depois de Auschwitz" (Grass) e "Viagem marítima com Dom Quixote" (Mann) - e duas ficções, "Diário de um ano mau" (Coetzee) e "Sementes mágicas" (Naipaul).
À excepção dos livros de Coetzee e de Naipaul, com saída prevista em 23 de Outubro o primeiro e em 27 de Novembro o segundo, os restantes quatro estarão todos disponíveis a 25 de Setembro.