21/06/09

21 de JUNHO de um ANO ESPECIAL

Às vezes, as palavras escritas podem ser tão descritivas e evocativas que transportam aqueles que as lêem para um mundo de fantasia inimaginável.
Quando bem escritas, as palavras são tão elegantes que acabam por criar histórias de intensa paixão e desejo.
Era um dia 21 de Junho de um ano especial.
O dia mais longo do ano – solstício de Verão.
Sem nada planeado foram andando pela serra procurando um lugar onde lanchar. Ela completamente rendida ao seu magnetismo. De repente, ele decidiu parar num café à beira da estrada, sentaram-se na esplanada e ficaram conversando. Ele, como já era costume pediu um café duplo, ela…pensou e resolveu pedir cerejas.

Era o tempo das cerejas...
Deliciosas, suculentas, viciantes... comem-se umas atrás das outras. São como as palavras e as palavras, são como as cerejas. As palavras arrastam histórias vividas e foi assim que aconteceu...uma história em que as cerejas foram motivo de brincadeiras sensuais, levando um homem e uma mulher ao êxtase numa tarde tão luminosa e divinamente romântica.
Nada tinha sido planeado...
As cerejas chegaram numa taça de vidro cheia de pedras de gelo, estavam deliciosamente frescas. Ela saboreava cada cereja enquanto sentia o seu olhar carregado de excitação ao vê-la trincar com prazer aquele fruto vermelho, cor da paixão.
Só se ouvia no meio da vegetação, o barulho dos seus corações palpitando velozmente. De repente, decidiu que, quem lhe dava as cerejas na boca seria ele mesmo; riam-se de felicidade, ela brincando umas vezes cerrava os lábios… ele beijava-os, convidando-a a receber a próxima cereja.
A magia daquele momento ficou para sempre gravada na sua memória.
Olhando à sua volta, as várias tonalidades de verde misturam-se com o brilho do sol, num desafio à intensidade, numa busca de deslumbramento que alimenta a alma.
Que beleza! Que pureza! Quanta paixão existia no ar!
Ali naquele “momento” e naquele espaço, apresentava-se a vida em todo o seu esplendor.
A paixão…ela ouvia a sua voz rouca mas melodiosa a sussurrar o seu nome, a falar de coisas bonitas, com simplicidade.
No silêncio, ouve-se um hino de louvor ao amor, à cumplicidade de dois seres que se desejam, à simplicidade do viver, e ao pouco que é necessário para ser feliz.

20 comentários:

Paula Raposo disse...

São as coisas mais simpels que perduram na memória...beijos.

Violeta disse...

São as coisas simples que nos fazem felizes e que não esquecem.
bjs

Lídia Borges disse...

Delicioso, o texto!
Quase tanto quanto as cerejas.

"No silêncio, ouve-se um hino de louvor ao amor, à cumplicidade de dois seres que se desejam, à simplicidade do viver, e ao pouco que é necessário para ser feliz."

Pois é!!!
Um beijo

Maria disse...

... o que pode fazer uma taça de cerejas metidas em gelo...
:)))
Bonito texto!

Beijo

Pena disse...

Amiga:
Belo. Sensual. Perfeito.
O que as cerejas conseguem fazer...
Descreve momentos sensíveis e repletos de uma pureza e beleza imensas...
Beijinhos amigos.
Com respeito e estima.
Aprazíveis instantes doces.

pena

Obrigado pela visita e pelo saborear a magia do amor que descreve com ternura.
Excelente!

peciscas disse...

Bonito texto.
As cerejas, são, efectivamente, um fruto ao mesmo tempo viciante e sensual.
No entanto, elas podem ser apenas o pretexto para o desencadear de um momento de intensa cumplicidade, Mas, sem aquela química de que falam as tuas palavras, as cerejas não seriam mais de uma...gulodice...

Papoila disse...

Olá!
Um texto tão delicioso quanto as cerejas e as palavras doces e sensuais que se trocam e recordas...
Beijos

Je Vois la Vie en Vert disse...

Ainda hoje comi cerejas, a minha fruta preferida. No meu blog está um "hino" a cerejas cantado pela Nana Mouskouri.

O teu texto é bonito e deu-me ideia : na próxima vez que comer cerejas, vou comê-las com sensualidade !

Depois...não conto !


Beijinhos

Verdinha

looking4good disse...

Dia mais longo do ano, Sol, café, cerejas, natureza, amor e depois... imaginação para ligar todos os ingredientes numa bela história. Parabéns! Flores, sorrisos ...e poesia!

Baby disse...

Um texto precioso, com recordações de momentos preciosos, perfeitos, que se podem reviver sempre que o amor quiser, basta abrir a gaveta e deixar que as palavras se soltem e as cerejas se avermelhem, como a paixão.

Um beijo, minha linda.

gaivota disse...

lindo!
esse dia 21, esse solistício será eterno!
como as cerejas...
beijinhos

aflores disse...

E como é bom receber o Verão com cerejas assim, na melhor das companhias :)

Tudo de bom

;)

Ana Patudos disse...

Olá Ester
Temos que falar para marcar a data da sua exposição aqui na Biblioteca de Alpiarça. Ficamos a aguardar notícias suas. Até lá fique bem
bjos
Ana Paula

ShiningMoon disse...

Querida Amiga!
Como estás?
Que texto fabuloso este!!
E como se aplica aos momentos de plena felicidade que tenho vivido...
Obrigada por este bocadinho.
(Temos mesmo de falar!)
Bjitos.

O Guardião disse...

A cor da narrativa e a memória do que é simples e puro.
Cumps

elvira carvalho disse...

Cerejas são frutos muito agradáveis. Se a companhia é boa melhor.
Um abraço

Rosa dos Ventos disse...

Texto de acordo com o fruto...
Delicioso!
Adoro cerejas!

Abraço

Nilson Barcelli disse...

As tuas palavras também me transportaram...
Querida amiga, tens o dom da narrativa apuradíssimo.
Beijo.

Catarina Alves disse...

Um texto mto bonito... que reflete a paixão...

Esse 21 de Junho, desse ano será sempre recordado...

bjs

Ana disse...

A sedução das cerejas num texto que seduz.

Saliento :
___ um hino ao amor, à cumplicidade de dois seres que se desejam, à simplicidade do viver, e ao pouco que é necessário para ser feliz___

Tens razão, amiga. Às vezes basta tão pouco ...
Um beijo.