01/11/09

DA MINHA JANELA...

Volto ao assunto: o que vejo da minha janela.
Acontece que nem tudo o que vejo me agrada...Pois, numa das semanas do mês de Outubro, em que as temperaturas voltaram aos valores do Verão, estes 2 cavalos estiveram ali presos a uma corda durante 3 dias sem uma gota de água, comendo o pasto que havia à sua volta. Acreditem, doeu-me o coração.
Se clicarem na imagem poderão ver como o branco é magro, nota-se as costelas.
Animais mal tratados não suporto nem admito.


Ontem, sábado, quando acordei e abri os estores deparei-me com este tractor a preparar a terra para a nova época que se avizinha, e as garças atrás dele, com o cheiro das sementes, que havia na terra. Era um festival de brincadeiras.



A semana que passou o meu blog atingiu as 15.000 visitas. Estou feliz.
Agradeço a todos que aqui me visitam o vosso carinho nas palavras que deixam.

8 comentários:

Paula Raposo disse...

E os cavalos estavam aí porquê?!
Isso fez-me confusão.
Beijos

Carlos Albuquerque disse...

Também pergunto: o que estavam os cavalos a fazer ali?
parabéns pelas 15.000 visitas!
BJS

gaivota disse...

de quem são os cavlos e porque os maltratam? está muito magro...
pode-se denunciar a quem de direito estas situações
boa semana
beijinhos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Cavalos são os que os maltratam.

elvira carvalho disse...

Como é que alguém pode (não) ter coração para deixar dois animais assim três dias sem água? É uma desumanidade.
Parabéns pelas 15000 visitas.
Um abraço e tudo de bom

O Guardião disse...

Não se compreende que os animais ali estivessem sem água mas há por aí gente "muito esquecida".
Bonito número que merecem os parabéns e desejos de continuação de bom trabalho.
Cumps

Nilson Barcelli disse...

Os donos dos cavalos é que deviam ficar lá presos 1 semana para sentirem a falta de água...
Nem é preciso ampliar a foto... a magreza do cavalo branco é notória.
Querida amiga, bom resto de semana.
Beijos.

peciscas disse...

Sempre atenta ao que se passa á tua volta.
Para além das imagens que captas, está a sensibilidade com que te referes ao que observas.